14 jun

Pra quem não sabe, sou arquiteta por formação. Não que seja uma informação tão importante, mas algo me chamou atenção na última semana, quando chegaram os tecidos com as minhas estampas: se um tecido estampado traz mais empolgação do que ver um projeto construído, tive uma pequena impressão de que estou indo pelo caminho certo, se é que ele existe. Pois bem. Vou contar um pouco dessa história toda e mostrar um pouquinho do meu processo criativo para a criação de uma estampa.

Em meados de 2015, surgiu uma ideia: desenhar estampas, para uso próprio nos produtos Zaená. Isso surgiu de uma inquietação, coisa muito comum à minha personalidade. No meio do caminho, estudei algumas maneiras de tornar isso real, segui tutoriais (sempre salvam, mas não ensinam de fato) para fazer estampas, pesquisei cursos, mudei de cidade e finalmente entrei no curso de design têxtil na Escola Panamericana de Arte e Design. O curso foi bastante importante para ensinar todo o procedimento da elaboração de estampas, bem como ferramentas, referências, história, técnicas e tipos de tecidos. Assim, minhas tardes de terças e quintas foram tomadas e (muito bem) aproveitadas para mergulhar nesse mundo do design têxtil. O fim do curso foi marcado com a entrega de algumas estampas autorais, que inclusive postei no Instagram da Zaená – Oficina Criativa.

Posso dizer que não sosseguei até semana passada, quando chegaram os tecidos estampados com meus desenhos. Como não via a hora de usá-los, o último fim de semana foi tomado por isso e vou mostrar um pouquinho da criação das estampas e dos produtos que, em breve, estarão à venda na loja virtual.

Criação das estampas e produtos:

Depois de adulta, perdi o hábito de desenhar com frequência, coisa que era muito comum na minha infância. Por isso, ainda não ~confio~ muito nos meus desenhos e prefiro sempre fazer algo mais simples, com um traço mais marcado, estilo esboço mesmo. Uso uma caneta Micron 0.50mm e gosto do resultado. Fiz esses desenhos no meu sketchbook, que é de papel pólen amarelado.

Feito isso, parti para a digitalização dos desenhos, para poder trabalhá-los no Photoshop e criar as estampas. Como estava sem scanner em casa, digitalizei pelo aplicativo do celular mesmo, o CamScanner. Mas atenção! É preciso usar uma boa resolução (300dpi é o ideal), portanto, o scanner do celular não é recomendado. Acontece que a afobação falou mais alto e foi assim mesmo!
Já no Photoshop, é importante tratar os desenhos, deixar numa boa resolução e, como se tratava de traços marcados, no meu caso, deixei tudo em preto e branco, mexendo nos “Levels”. Assim, eu poderia alterar a cor do traço, preencher espaços e etc.

Finalizados os rapports, salvei e enviei para a Be Diff, uma empresa especializada em impressão em várias superfícies e com vários tipos de tecido no portfolio. Escolhi o tricoline misto, cuja composição é de 50% tricoline e 50% poliéster. Apesar de ter poliéster na composição, eles garantem  que o tecido tem o mesmo comportamento do tricoline 100% algodão. Não foi bem isso que notei na confecção dos produtos. Em 7 dias úteis, os tecidos chegaram em casa. O atendimento da Be Diff foi ótimo, a entrega foi feita dentro do prazo e qualidade da impressão ficou perfeita. Como teste valeu muito à pena, mas a ideia é viabilizar essa impressão para poder trabalhar com estampas autorais e não pesar tanto no valor final dos produtos.

Depois de pensar um pouco, achei que a estampa de prédios combinaria mais com encadernação, enquanto a de nuvens seria mais bem aproveitada em produtos costurados e estruturados com manta. Por isso resolvi fazer dois tipos de caderninhos, uma necessaire e um cestinho com as minhas estampas. Na hora da confecção das capas, achei que o tecido ficou “teimoso” e não aderiu bem logo de primeira. Demorei bem mais que o normal para conseguir o acabamento que eu gosto: ponto negativo para o poliéster. Em relação à costura, tive um pouco de dificuldade no começo, mas talvez seja porque a hora de trocar a agulha já tinha chegado. Também é importante não passar o ferro muito quente (fiz isso e o tecido entortou na manta, meio derretido). O resultado disso tudo foi esse:

Fiquei muito satisfeita com os produtos e me bateu um orgulhinho de ter feito tudo desde o desenho das estampas até a confecção dos produtos. Só sei que quero continuar fazendo estampas exclusivas e pretendo, muito em breve, ter um portfolio de estampas e produtos que tenham mais a minha cara!

Ah! Vale contar que, no meio dessa empolgação, veio o desafio #30ideias30dias do curso que falei no post passado. Estou desenvolvendo uma estampa por dia no tema cidade, chegando ao meio do desafio. Contarei mais sobre o desafio num próximo post, mas deixo a #estampariazaená pra vocês acompanharem! Com certeza vai sair coisa boa daí ????

Comentários(06)

  1. Parabéns! !
    a idéia é fantástica, o resultado perfeito, desejo sucesso nessa nova etapa da sua vida, Deus abençoe ricamente suas idéias, que todos os seus sonhos se realizem boa sorte bjos ????

    Elizabeth 15 de junho de 2016 Responder
    1. Obrigada, Elizabeth!
      Fico muito feliz com suas palavras e apoio!
      Continue acompanhando =)
      Um beijo!

      Zaena 22 de junho de 2016 Responder
  2. Sensacional! Parabéns!

    Sol 16 de junho de 2016 Responder
    1. Que bom que gostou, Sol!
      Obrigada! =)

      Zaena 22 de junho de 2016 Responder
  3. Pingback: Kit básico para cartonagem – Artes feitas à mão

  4. Adorei as estampas! Principalmente esse caderno de prédios 😉

    Vinícius Bazan 23 de junho de 2016 Responder

Deixe um comentário